quarta-feira, 19 de maio de 2010

(a)luno

nesta manhã de capada a luz do sobrado

ogatoquesestrepounacercaelétricaepretoficou

nas so(m)bras da geladeira pingam vértice
serrinha de
icebergs artificiais
tudo quebra.

a pá virada, a esquina plantada,
e Johnny Ramone ali, de pé,
na parede da casa velha encostada.

- avarandaquejanelatrêmulasupita -

súplica maré de
666 cadeiras em
balanço pairadas

a 7 palmas do chão

e na larica existencial dos 3 acordes espero
a cemig, a cia, as formigas e o f.b.i.


Johnny continuou lá,
um puto na batalha da anfeta,
michê diário querido

entre a 33 e um terço
e
a 53
e

um quartinho.

3 comentários:

Daiane Costa disse...

que maravilha isso!
Cada vez melhor!
abraço

Velharia disse...

Sempre é bom saber que tem gente que eu conheço, fumo, e troco ideia; gente que escreve massa desse tanto!

Arco e Lira disse...

cara, que escrita cubista!

Seguidores